quarta-feira, 22 de novembro de 2017

GRATIDÃO EU SOU... POR QUÊ SER GRATA HOJE????? FOTOS



 
 
GRATIDÃO EU SOU

Gratidão por esse navio que nos leva de Estocolmo a Helsinki, carregando nosso carro em sua "barriga". Saímos dele direto para Loppi para visitarmos Saimi, mãe do Ari.



Gratidão pelo chalé de verão que nos acolheu para almoçarmos num local perto de onde Saimi está. A água já foi desligada para a chegada do inverno e mesmo assim degustamos lá comida de Natal finlandesa.


Gratidão ao Ari que, na véspera, reconectou a eletricidade para ligar o radiador e pos a lareira para funcionar.


Gratidão ao Antti que nos deixou lá vasilhas descartáveis.

Gratidão por podermos levar à Saimi as "luzes de Natal": as da foto, tradicional na Europa nessa época de escuridão no inverno, e as do nosso carinho.

Gratidão pela possibilidade de fabricar lá essas sacolas de chita que enchemos com balas e pequenos objetos para as crianças da família do Ari, para sinalizarmos que nos lembramos delas, enviadas celestes à Terra, que somos todos nós.
 

Que essas bênçãos possam se espalhar por toda a humanidade em todos os mundos!

Abraço fraterno de Advento.
Alzira Maria
 
 Fotos: Alzira Boechat

terça-feira, 21 de novembro de 2017

AMOR AOS INIMIGOS SABE COMO ISSO É POSSÍVEL?? CONFIRA NO TEXTO AQUI APRESENTADO




AMOR AOS INIMIGOS
Emmanuel


Amar aos inimigos, na conceituação de Jesus, não será praticar servilismo ou bajulação.
É compreender, acima de tudo, que as faltas daqueles que não se afinam conosco poderiam ter sido nossas e imaginar quão felizes nos sentiríamos se tivéssemos, porventura, os nossos erros desculpados e esquecidos, por aqueles aos quais tenhamos
ofendido.
 

Efetivamente, ser-nos-á possível amar aos nossos adversários, cultivando atitudes diversas, quais sejam:
Orar pela felicidade deles, no silêncio do coração, a envolvê-los em vibrações de paz e encorajamento;
Destacar-lhes as qualidades nobres, quando em conversação com pessoas amigas, ao redor de ocorrências que lhes digam respeito;
Desembargar, quanto se nos faça possível, de maneira oculta e indireta, os caminhos para as realizações que demandem;
Auxiliar-lhes os entes queridos, quando estejam à frente de problemas que lhes surjam no cotidiano, de modo a aliviar-lhes as provações;
Induzir companheiros a prestar-lhes apoio nas tarefas úteis a que se
empenham;
Mentalizá-los sempre tranqüilos e felizes;
Desencorajar quaisquer campanhas negativas, tendentes a suscitar-lhes desgostos e prejuízos; sobretudo, não nos referirmos, em tempo algum, a essa ou aquela dificuldade que nos hajam causado.
 

Não digas, portanto, que não podes amar aos inimigos, porque existem vários meios de endereçar-lhes compreensão e afeto, sem humilhá-los com a nossa possível benevolência.
 

Decerto Jesus, quando nos aconselhou amar aos ofensores, não desejava transformar-nos em carpideiras, junto daqueles que, acaso, não nos entendam ou nos firam e, sim, espera que os tratemos a todos, na condição de irmãos autênticos e, tanto quanto nós, amados filhos de Deus.
 

Do livro Monte Acima. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

O EDUCANDÁRIO FAMILIAR: CONSTELAÇÃO FAMILIAR CONFIRA AQUI A IMPORTÂNCIA DELA




02 - O EDUCANDÁRIO FAMILIAR
A família é o resultado do largo processo evolutivo do espírito na extensa trajetória vencida por meio das sucessivas reencarnações.
Resultado do instinto gregário que une todos os animais, aves, répteis e peixes em grupos que se auxiliam e se interdependem reciprocamente, no ser humano atinge um estágio relevante e de alta significação, em face da conquista do raciocínio, da consciência.
 

Dessa forma, a família é o alicerce sobre o qual a sociedade se edifica, sendo o primeiro educandário do espírito, onde são aprimoradas as faculdades que desatam os recursos que lhe dormem latentes.
 

A família é a escola de bênçãos onde se aprendem os deveres fundamentais para uma vida feliz e sem cujo apoio fenecem os ideais, desfalecem as aspirações, emurchecem as resistências morais.
 

Quando o individuo opta pela solidão, exceção feita aos grandes místicos e pesquisadores da ciência,filósofos e artistas que abraçam os objetivos superiores como a sua família, termina sendo portador de transtorno da conduta c da emoção.
 

Organizada, a família, antes da reencarnação, quando são eleitos os futuros membros que a constituirão, ou sendo resultado da precipitação e imprevidência sexual de muitos indivíduos, é sempre o santuário que não pode ser desconsiderado sem graves prejuízos para quem lhe perturbe a estrutura.
 

É permanente oficina onde se caldeiam os sentimentos e as emoções, dando-lhes a direção correta e a orientação segura para os empreendimentos do futuro.
Por essa razão, é que não se vive na família ideal, aquela na qual se gostaria de conviver com espíritos nobres e ricos de sabedoria, mas no grupo onde melhormente são atendidas as necessidades da
evolução.
 

Não poucas vezes, no grupo doméstico ressumam as reminiscências perturbadoras do Além ou de outras existências, que devem ser trabalhadas pelo cinzel da misericórdia, da tolerância e da compaixão, a fim de que sejam arquivadas como diferentes emoções enobrecidas, que irão contribuir em favor do
progresso de todos.
 

De inspiração divina, a família é a oportunidade superior do entendimento e da vera fraternidade, de onde surgirá o grupo maior, equilibrado e rico de valores, que é a sociedade.
Por isso, no momento em que a família se desestrutura sob os camartelos da impiedade e da agressão, ou se dilui em face da ilusão acalentada pelos seus membros, ou se desmorona em razão da imprevidência, a sociedade sofre um grande constrangimento.
No lar, fomentam-se e desenvolvem-se os recursos da compreensão humana ou da agressividade e ressentimento contra as demais criaturas.
 

A constelação familiar não é uma aventura ao país enganoso do prazer e da fantasia, mas uma experiência de profundidade, que faculta a verdadeira compreensão da finalidade da existência terrena com os olhos postos no futuro da humanidade.
Campo experimental de lutas íntimas e externas, constitui oportunidade incomum para que o espírito se adestre nos empreendimentos pessoais, sem perder o contato com a realidade externa, com as demais pessoas.
 

Mesmo quando não correspondendo às expectativas pessoais, em face do reencontro com adversários ou caracteres inamistosos, no lar adquire-se a necessária filosofia existencial para conduzir-se
com equilíbrio durante toda a existência.
O exercício da paciência no clã familiar é valiosa contribuição para a experiência iluminativa, porquanto, se aqueles com os quais se convive tornam-se difíceis de ser amados, gerando impedimentos
emocionais que se sucedem continuamente, como poder-se vivenciar o amor em relação a pessoas com as quais não se tem relacionamento, senão por paixão ou sentimentos de interesse imediatista?
 

No lar, onde se é conhecido e muito dificilmente se podem ocultar as mazelas interiores, são lapidadas as imperfeições em contínuos atritos que não devem resvalar para os campeonatos da
indiferença ou do ódio, do ciúme ou da revolta.
Aquele que hoje se apresenta agressivo e cínico no grupo doméstico, dando lugar a guerrilhas perversas, encontra-se doente da alma, merecendo orientação e exigindo mais paciência.
 

Ninguém se torna infeliz por mero prazer, mas em conseqüência de muitos fatores que lhe são desconhecidos. O próprio paciente ignora o distúrbio de que é portador, detendo-se, invariavelmente, no tormento em que se debate, sem capacidade de discernimento para avaliar os danos que produz no grupo onde se encontra, nem compreensão do quanto necessita para auto-superar-se e agir corretamente.
 

Por isso mesmo, transforma-se em desafio familiar, conduzindo altas cargas tóxicas de antipatia, de agressividade, de desequilíbrio.
A constelação familiar recorda o equilíbrio que vige no universo: os astros menores giram atraídos pela força dos maiores, no caso específico das estrelas, planetas, satélites e asteróides... No caso, em tela, são os pais as estrelas de primeira grandeza cuja força gravitacional impõe-se aos filhos, na condição de planetas à sua volta, assim como de futuros satélites que volutearão no seu entorno sob a atração da afetividade, que são todos aqueles que se vinculam aos descendentes...
 

Nos astros há perfeita harmonia em face das leis cósmicas que os mantêm em contínuo equilíbrio.
No entanto, na família, em razão dos sentimentos, das individualidades, das experiências transatas, o fenômeno é muito diferente, oscilando o equilíbrio conforme o desenvolvimento ético-moral de cada qual, que se apresenta conforme é e não consoante gostaria de ser.
Por mais combatida pelos novos padrões da loucura que grassa na Terra, a família não desaparecerá do contexto social, na condição de instituição superada, porque o amor que sempre existirá nos corações se expressará em maior potencialidade no lar, núcleo de formação que é, para expandir-se na direção do colossal grupo humano.


Quem não consegue a capacidade de amar aqueles com os quais convive, mais dificilmente poderá amar aqueloutros que não conhece.
O combustível do amor se inflama com maior potencialidade quando oxigenado pela convivência emocional. Noutras condições, trata-se apenas de atração física passageira, de libido exagerada que logo cede lugar ao desencanto, ao tédio, ao desinteresse...
 

A família, portanto, é um núcleo de aformoseamento espiritual, que enseja aprendizagem de relacionamentos futuros exitosos.
No grupo animal, quando os filhos adquirem a capacidade de conseguir o alimento, os pais abandonam-nos, quando isso excepcionalmente em algumas espécies não ocorre antes.
No círculo humano da família é diferente: os laços entre pais e filhos jamais se rompem, mesmo quando há dificuldades no relacionamento atual, o que exige transferência para outras oportunidades no futuro reencarnacionista, que se repetem até a aquisição do equilíbrio afetivo.
 

É da Divina Lei que somente através do amor o espírito encontra a. plenitude, e a família é o local onde se aprimora esse sentimento, que se desdobra em diversas expressões de ternura, de abnegação, de afetividade...
Com o treinamento doméstico o espírito adquire a capacidade de amar com mais amplitude, alcançando a sociedade, que se lhe transforma em família universal.


Constelação Familiar- Divaldo Franco-Joanna de Ângelis

sábado, 18 de novembro de 2017

BELÍSSIMO POEMA: ALMAS PERFUMADAS CARLOS DRUMMOND de ANDRADE

Resultado de imagem para almas perfumadas

 Almas Perfumadas 
 Carlos Drummond de Andrade

Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta.
De sol quando acorda.
De flor quando ri.
Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso  numa tarde grande, sem relógio e sem agenda.
Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça.
Lambuzando o queixo de sorvete.
Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher.
O tempo é outro.
E a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver.

Tem gente que tem cheiro de colo de Deus.
De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.
Ao lado delas, a gente sabe 
que os anjos existem e que alguns são invisíveis.
Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo.
Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso.
Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.

Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra.
Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza.
Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria.
Recebendo um buquê de carinhos.
Abraçando um filhote de urso panda.
Tocando com os olhos os olhos da paz.
Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração.

Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa.
Do brinquedo que a gente não largava.
Do acalanto que o silêncio canta.
De passeio no jardim.
Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo.
Corre em outras veias.
Pulsa em outro lugar.
Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos Deus está conosco, juntinho ao nosso lado. E a gente ri grande que nem menino arteiro.

Tem gente que nem percebe como tem a alma perfumada!
E que esse perfume é um dom de Deus!
 
Enviado por Angela Bittencourt 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

OS IRMÃOS ENTRE SI... (CONSTELAÇÃO FAMILIAR)


Resultado de imagem para Irmãos

A bênção do renascimento na constelação familiar constitui providencial oportunidade de crescimento espiritual e conquista de valores ético-morais excelentes.
 

Procedentes, quase sempre, de experiências diversificadas, os espíritos que se agrupam através dos vínculos biológicos sob o mesmo teto, fruem da concessão de amor valiosa para ajustamentos
indispensáveis ao equilíbrio que lhes falta, por desastres comportamentais que se permitiram em existências transatas.
 

Quando um família reúne filhos que se entendem e se amam, consegue desfrutar de incomparável misericórdia celeste, a fim de trabalharem em favor de uma sociedade harmônica.
Identificados por ideais superiores em que laboraram anteriormente, voltam a experienciar a união fraternal no mesmo clã, de forma que a jornada se faça coroar de realizações superiores.
 



Entretanto, as reencarnações difíceis no mesmo grupo consangüíneo constituem ocasião incomum que favorecem o aprimoramento espiritual, na oficina doméstica onde se caldeiam as imperfeições e se lapidam as anfractuosidades morais dos seus membros.
 

Na infância, já se podem notar as afinidades existentes entre os irmãos, através da afeição vigente ou das animosidades que se expressam por meio de birras e agressões contínuas, dos epítetos deprimentes com que se ofendem e das atitudes de implicância que demonstram sem motivos justificáveis.
 


Constelação Familiar-Divaldo Franco/Joanna de Ângelis

SER FILHO... CONSTELAÇÃO FAMILIAR (Divaldo Franco/Joanna de Ângelis)



As leis de afinidade, portanto, propiciam os encontros, os reencontros e os desencontros, no
santuário da família, conforme os estágios evolutivos e os níveis de consciência dos membros do clã.
Ser filho é uma oportunidade de aprendizagem para tornar-se genitor.
Não sabendo conduzir-se na condição de submissão e obediência, dificilmente saberá orientar e fazer-se compreender.


Enquanto os pais têm graves responsabilidades para com a prole, que não podem ser
desconsideradas, aos filhos cumpre exercitar os deveres do afeto e do trabalho para o próprio
desenvolvimento, assim como a preparação para o futuro, quando deverão proteger os pais idosos ou
enfermos, quer deles necessitem ou não.
 

Os filhos de agora serão os genitores de amanhã, cabendo à reencarnação propiciar-lhes o futuro de
acordo com a sementeira do presente.
 

Graças, portanto, ao mecanismo sábio das reencarnações, alteram-se as paisagens afetivas nos
relacionamentos no lar, desenvolvendo a real fraternidade que deverá viger em todos os segmentos da
sociedade.
 

Amar, desse modo, respeitando os pais, mesmo quando aparentemente não o mereçam, é impositivo
da lei divina no processo da evolução do espírito, que os filhos não podem desconsiderar, porquanto a
oportunidade do renascimento constitui verdadeira bênção da vida em favor da felicidade.
 

Devem os filhos ter em mente, quando descendentes de genitores negligentes ou inescrupulosos,
perversos ou cruéis, que eles são mais enfermos do que maus, compreendendo que, nesse lar, é que se
encontraram os mecanismos necessários à regularização do passado infeliz, agradecendo, assim mesmo, àqueles que lhes concederem a roupagem orgânica, quando poderiam tê-la negado e não o fizeram.



Constelação Familiar- Divaldo Franco/Joanna de Ângelis
 


JÁ PROVOU A COMIDA TÍPICA DE NATAL DA FINLÂNDIA? VEJA AQUI COM FOTOS A TRADIÇÃO NATALINA

Resultado de imagem para mesa de Natal finlandesa

Helsinki, 17/11/2017

 Na mesa acima vocês veem as muitas variedades de comida tradicional finlandesa para o Natal.
 Bem cedo é possível comer essas comidas especiais. No navio em que viemos ontem de Estocolmo, o restaurante que serve apenas buffet já estava servindo comida de Natal sueca e finlandesa, que são completamente diferentes. Nesse Buffet(é o nome do restaurante) pode-se comer desde ontem até o Natal essas comidas natalinas.

A princípio essas comidas eram estranhas para mim e não gostava. Hoje, bastante tempo depois da primeira vez que comi, gosto muito.

Na mesa de Natal finlandesa o mais marcante,na minha opinião, é o suflê. Esse suflê é feito de diferentes vegetais e também de fígado. Usam muito leite e açúcar, além do material principal. O nome dessa comida em finlandês é "laatikko"+ o nome ingrediente principal.
Eles tem:
1.Perunalaatikko: feito de batata com muito leite e açúcar e muito tempo no forno. É delicioso .
Imagem relacionada


2.Porkkanalaatikko:feito com cenoura. Há dois tipos: com arroz e sem arroz.


3.Maksalaatikko:fígado de boi+arroz+passas+leite



4.Lanttulaatikko: lanttu(vegetal de que não sei nome em português)+leite+açúcar


Esses acima são os suflês.

Agora as saladas características de Natal:
1.Salada de batatas: batata cozida+pepino em conserva~+creme batido
2.Rossoli:beterraba cozida+maça+cebola+cenoura+batata+creme batido com o caldo da beterraba
 Salmão defumado é acompanhamento para as saladas, assim como um outro peixe de carne branca, também defumado.

As carnes:
1.Pernil de porco
2.Filé de salmão assado
Acompanhados de batata cozida na água(comida com muuuiiita manteiga/ou com manteiga de ovo)

Abaixo podem ver manteiga de ovo sobre esse pão finlandês de que eu gosto muito: riisipiirakka.(Não é característico de Natal)

Abaixo, apenas riisipiirakka.(Gosto de esquentar na hora esse pão.)


Doces de Natal:

1.Joulutortu: estrela com geléia de ameixa  Delícia

 2.Arroz doce com uma noz no meio. Para verem quem acha. Pode vir com passas.

3.Mustiikkapiirakka: torta feita de uma fruta silvestre

Devo ter esquecido algum detalhe. Tem bastante molhos com que regam a comida.

Espero que tenham gostado e resolvam vir ver de perto.
Abraço caloroso diretamentte da Finlândia onde ficamos até domingo, visitando Saimi, mãe do Ari, em Loppi, cidade dele.
Alzira Maria